Revolução de 1932
Início do Portal Tuia.com.brHome Sugestões de leitura Considerações finais

Alfaiates
República de 1817
Balaiada
Backmans
Cabanada
Cabanagem
Canudos
Chibata
Guerra do Contestado
Guerra dos Emboabas
Confederação do Equador
Revolução Farroupilha
Revolução de 1924
Revolução de 1930
Revolução de 1932
Revolução de 1964
Forte de Copacabana
Guerra do Paraguai
Inconfidência Mineira
Índios: A luta de 500 anos
Intentona Comunista
Invasões holandesas
Revolta de Juazeiro
Cangaço
Guerra dos Mascates
Negros - A luta inconclusa
Revolução Praieira
Coluna Prestes
Quebra-quilos
Revolta do Malês
Revolta da Sabinada

Revolução Constitucionalista de São Paulo em 1932

A Revolução Constitucionalista de São Paulo ocorreu devido a grande ressentimento contra Vargas, pois a oligarquia cafeeira paulista foi o grupos mais atingido pela Revolução de 30 que ficou despojado do poder.

Os interventores estaduais escolhidos por Getúlio nunca foram bem aceito pelos paulistas. Somados a isto empresários reclamavam direitos trabalhistas concedidos por Getúlio.

A classe média e os estudantes paulistas foram tomados por incontrolado clima de revolta. Exigiam eles como principal reivindicação a convocação de uma Assembléia Nacional Constituinte acreditando que, com uma Constituição, os Estados teriam mais autonomias e o país não seria governado pelos desígnios de Getúlio, mas representaria o império da lei, votada e aprovada pelos representantes do povo.

O governo cede à idéia e em 1932 aprovou lei eleitoral que convocava eleições para 3 de maio de 1933 para uma nova Assembléia Constituinte.

O povo paulista não se contentou, em maio de 1932 pegou em armas forçando o governo a atender suas reivindicações.Apoiados pelo povo paulista, a elite dirigente e os chefes militares resolveram agir baseados em vários motivos: as constantes interferências dos tenentes na política interna de São Paulo, a negativa do governo federal em dotar São Paulo de um governador civil e paulista, e os constantes choques armados entre a mocidade paulista e os representantes do governo federal - um deles acabou vitimando em 23 de maio os estudantes Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, dando a origem à associação popular MMDC.

Em comunicado oficial, Francisco Morato, o general Isidoro Dias Lopes, o general Bertoldo Klinger e Pedro de Toledo, a Junta Revolucionária declarou estado de guerra contra o governo provisório de Getúlio Vargas.

Havia união e todos estavam imbuídos num esforço de guerra. Mas desde o início os paulistas ficaram sozinhos, foram boicotados nos reforços militares prometidos por Minas Gerais e Rio Grande do Sul e em menos de quatro meses, tiveram de se render

A Revolução Constitucionalista de 32 teve duas conotações: uma de que os paulistas desejavam apenas a volta a normalidade como unidade territorial de maior expressão na política brasileira; outra de que os paulistas desejavam realmente a deposição de Getúlio e a volta ao antigo regime.

Diante de tudo isto o governo federal apressou a volta à normalidade.

 














História Geral
História do Brasil
Constituições
Lutas do Povo   Revoluções
Datas Importantes
Familias dos Presidentes
Tratados 
Vídeos Históricos

História do Brasil  |  Família | Educação e Cultura   |  Esporte e Lazer  |Religião  |  Direito Brasileiro   |  Meio Ambiente  |  Músicas  | Notícias, Casos, Contos e Causos  |  Sabesp 

    Topo da Página            Início do Site

Websites [ Tuia.com.br ]                                 Bloco: Lutas Brasileiras
Faustino Emílio da Silva          Contatos: Faust@tuia.com.br.
Última atualização: sábado, 20 de novembro de 2010