Chibata
Início do Portal Tuia.com.brHome Sugestões de leitura Considerações finais

Alfaiates
República de 1817
Balaiada
Backmans
Cabanada
Cabanagem
Canudos
Chibata
Guerra do Contestado
Guerra dos Emboabas
Confederação do Equador
Revolução Farroupilha
Revolução de 1924
Revolução de 1930
Revolução de 1932
Revolução de 1964
Forte de Copacabana
Guerra do Paraguai
Inconfidência Mineira
Índios: A luta de 500 anos
Intentona Comunista
Invasões holandesas
Revolta de Juazeiro
Cangaço
Guerra dos Mascates
Negros - A luta inconclusa
Revolução Praieira
Coluna Prestes
Quebra-quilos
Revolta do Malês
Revolta da Sabinada

Revolta da Chibata

Em 1910 a Marinha brasileira possuía uma das mais modernas e potentes marinhas do mundo, com suas belonaves. A famosa Esquadra Branca por exemplo, era formada pelos encouraçados São Paulo e Minas Gerais e pelos cruzadores Rio Grande do Sul e Bahia.

A Revolta da Chibata foi uma rebelião ocorrida em 12 de novembro de 1910, entre os marinheiros do Rio de Janeiro do cruzador Minas Gerais, revoltados com o castigo de 250 chibatadas imposto ao colega Marcelino Menezes, se amotinaram e se apoderaram do navio, matando o comandante e outros oficiais.

Os maus-tratos, má alimentação e castigos corporais que os marinheiros recebiam por suas faltas ( 25 chibatadas ), começou haver descontentamento por parte dos marinheiros que exigiam melhores condições. Suas reivindicações não foram atendidas, então sob a liderança de um marinheiro negro chamado João Cândido, começaram a tramar a maior revolta do marinheiro ocorridas no Brasil. Em 1910, João Cândido, cabo da Marinha assumiu o comando do navio Minas Gerais e recebeu imediata ajuda do São Paulo e do Bahia. Ameaçou bombardear a cidade do Rio de Janeiro, caso o governo não retirasse o humilhante castigo da chibata e não melhorasse a alimentação.

Diante dessa pressão o Congresso votou às pressa, uma lei concedendo anistia aos rebeldes e o fim do uso da chibata, mas as autoridades e o governo não perdoou os rebeldes esperando uma oportunidade para castigá-los. Como as prisões e os maus-tratos continuaram, outra revolta explodiu na ilha das Cobras, mas a atuação enérgica do governo sufocou de vez os revoltosos. Uns foram enviados para a Amazônia, muitos foram presos eoutros morreram na prisão. João Cândido, viveu muitos anos numa solitária e só foi solto porque as autoridades acreditaram que ele havia enlouquecido.

A tripulação de outros navios da Marinha de Guerra, como o São Paulo, o Bahia e o Deodoro, aderiu ao movimento e ameaçou bombardear a sede do governo, o Palácio do Catete, se suas exigências não fossem atendidas.

Foi então que o Congresso e o Governo aprovaram o projeto do senador Rui Barbosa dando anistia aos marinheiros revoltosos. Também foram aceitas suas exigências de melhora na alimentação e fim dos castigos físicos na Marinha - a chamada "Lei da Chibata", daí o movimento.














História Geral
História do Brasil
Constituições
Lutas do Povo   Revoluções
Datas Importantes
Familias dos Presidentes
Tratados 
Vídeos Históricos

História do Brasil  |  Família | Educação e Cultura   |  Esporte e Lazer  |Religião  |  Direito Brasileiro   |  Meio Ambiente  |  Músicas  | Notícias, Casos, Contos e Causos  |  Sabesp 

    Topo da Página            Início do Site

Websites [ Tuia.com.br ]                                 Bloco: Lutas Brasileiras
Faustino Emílio da Silva          Contatos: Faust@tuia.com.br.
Última atualização: sábado, 20 de novembro de 2010