Canudos
Início do Portal Tuia.com.brHome Sugestões de leitura Considerações finais

Alfaiates
República de 1817
Balaiada
Backmans
Cabanada
Cabanagem
Canudos
Chibata
Guerra do Contestado
Guerra dos Emboabas
Confederação do Equador
Revolução Farroupilha
Revolução de 1924
Revolução de 1930
Revolução de 1932
Revolução de 1964
Forte de Copacabana
Guerra do Paraguai
Inconfidência Mineira
Índios: A luta de 500 anos
Intentona Comunista
Invasões holandesas
Revolta de Juazeiro
Cangaço
Guerra dos Mascates
Negros - A luta inconclusa
Revolução Praieira
Coluna Prestes
Quebra-quilos
Revolta do Malês
Revolta da Sabinada

Canudos

-

O maior problema com que se deparou o governo de Prudente de Morais, foi a sangrenta campanha de Canudos. Surgira em 1893, no interior da Bahia, o cearense Antônio Vicente Mendes Maciel, posteriormente conhecido pelo apelido de Antônio Conselheiro. Apresentado-se como profeta, pregava entre os sertanejos analfabetos, esquecidos pelo império, a restauração da monarquia e a volta de D. Sebastião, rei de Portugal, que sairia das ondas do mar com todo o seu exército. Reunira Antônio Conselheiro em torno de sua personalidade messiânica um grande número de seguidores que logo lhe atribuíram milagres extraordinários, estabelecendo-se nas margens do Vaza-Barris, vilarejos onde seria incontestável a autoridade de santo.

O governo da Bahia mandou uma pequena força policial a Canudos em 1896, pois a agitação promovida por Antônio Conselheiro punha em sobressalto os comerciantes e fazendeiros das vizinhanças. A expedição foi surpreendida por uma multidão de fanáticos que promoveu furiosos ataque obrigando a retirada imediata dos soldados. Uma segunda expedição em dezembro do mesmo ano, com 600 homens foi derrotada pelos jagunços.

Uma terceira expedição dessa vez com 1300 homens bem armados foi mandada para lá. Foi um novo fracasso, só que dessa vez os jagunços se apoderaram das bagagens e o armamento de uma brigada do exército.

A quarta expedição militar foi organizada pelo ministro da Guerra, Mal. Carlos Machado Bittencourt, que partiu para a base de operações na Bahia. Composta de 6 brigadas, perfazendo quase 6000 homens. Contava com artilharia de grosso calibre. A fome, a sede, o calor e a resistência fanática dos jagunços tornaram a expedição uma das mais dramáticas páginas da história republicana. A 30 de setembro de 1897 foi desfechado o ataque final. Os jagunços famintos, sedentos e esfarrapados defenderam palmo a palmo seus últimos redutos. A 5 de outubro pouco restava do arraial sertanejo. Um incêndio, ateado com querosene e dinamite destruíra os numerosos casebres que compunham a estranha cidadela do sertão nordestino. Antônio Conselheiro estava morto e com ele milhares de jagunços. O exército perdeu cerca de 4000 homens para destruir Canudos.

Antônio Conselheiro fora considerado um inimigo da República, quando na verdade vivera apenas um drama messiânico e dirigira com sua personalidade psicopática o fanatismo religioso de uma pobre população, cujo atraso, evidentemente jamais permitiria a compreensão das diferenças entre república e monarquia. A Campanha de Canudos poderia ter sido evitada com escolas, saúde pública, ajuda econômica e assistência social. Preferiu-se a pior solução: o extermínio pelo fogo de um pungente drama social.














História Geral
História do Brasil
Constituições
Lutas do Povo   Revoluções
Datas Importantes
Familias dos Presidentes
Tratados 
Vídeos Históricos

História do Brasil  |  Família | Educação e Cultura   |  Esporte e Lazer  |Religião  |  Direito Brasileiro   |  Meio Ambiente  |  Músicas  | Notícias, Casos, Contos e Causos  |  Sabesp 

    Topo da Página            Início do Site

Websites [ Tuia.com.br ]                                 Bloco: Lutas Brasileiras
Faustino Emílio da Silva          Contatos: Faust@tuia.com.br.
Última atualização: sábado, 20 de novembro de 2010