República de 1817
Início do Portal Tuia.com.brHome Sugestões de leitura Considerações finais

Alfaiates
República de 1817
Balaiada
Backmans
Cabanada
Cabanagem
Canudos
Chibata
Guerra do Contestado
Guerra dos Emboabas
Confederação do Equador
Revolução Farroupilha
Revolução de 1924
Revolução de 1930
Revolução de 1932
Revolução de 1964
Forte de Copacabana
Guerra do Paraguai
Inconfidência Mineira
Índios: A luta de 500 anos
Intentona Comunista
Invasões holandesas
Revolta de Juazeiro
Cangaço
Guerra dos Mascates
Negros - A luta inconclusa
Revolução Praieira
Coluna Prestes
Quebra-quilos
Revolta do Malês
Revolta da Sabinada

A REPÚBLICA DE 1817 

( Revolução Pernambucana )

 

As idéias de liberdade e emancipação espalhavam-se rapidamente pelas sociedades secretas, entre o clero, nos quartéis, no seminário de Olinda e principalmente no seio da população.

Relacionamos aqui alguns fatores econômicos, políticos e sociais, responsáveis pela revolução Pernambucana de 1817:

bullet

econômicos: Crise na produção de açucar e algodão, lutas dos senhores rurais e homens livres contra o domínio comercial dos portugueses e para redução dos preços dos gêneros de primeira necessidade que estes vendiam;

bullet

políticos: anseio de substituição da monarquia Absoluta de direito divino por uma forma mais liberal de governo, a exemplo da República Representativa, adotada pelos Estados Unidos da América; 

bullet

sociais: as grandes desigualdades sociais e raciais, qie os revolucionários queriam eliminar.

O estopim da revolta foi a ordem dada pelo governador de Pernambucode mandar prender os principais suspeitos de liderar o movimento

Foi uma revolução em represália aos moldes rígidos da Metrópole aplicar as leis sobre a Colônia, pois quando alguém era condenado até injustamente, ainda havia de se cumprir as durezas da pena em que o condenado depois de morto muitas vezes por enforcamento, tinha que ser seus membros decepados, bem como sua cabeça cortada, os resto do cadáver ser arrastado preso à cauda de cavalo e arrastado pela cidade até chegar ao cemitério. Os membros e a cabeça deveriam ser expostos em praça pública . Tudo isto, para servir de exemplo e alerta para que que aquilo não se repetisse mais. Esse modelo foi integralmente aplicado a Joaquim José da Silva Xavier "O Tiradentes", único condenado neste estilo dos membros da Inconfidência Mineira. Entretanto muitos antes dele foram condenados e aplicadas as penas dessa maneira.

Por exemplo: Em 10 de julho de 1817 foram enforcados Teotônio Jorge, José de Barros Lima, o padre Pedro de Sousa Tenório e Antonio Henriques. A aplicação das penas foi no sentido de distribui suas cabeças, seus membros e os restos de seus cadáveres um em cada lugar das capitanias. Os restos dos cadáveres ainda deveriam ser arrastados por calda de cavalos pela cidade até chegar ao cemitério local.

Essa revoluçào partindo de escolas locais da colônia, inclusive em seminários, onde eram ensinas as idéias libertárias emanadas dos grandes pensadores, tais como Rousseau, Voltaire entre outros, e daquilo que se extraiu da Revolução francesa, ganhou o apoio popular e se espalhava rapidamente pela Colônia. Muitos oficiais da Coroa portuguesa foram mortos e o clima de revolta era geral

As contendas se deram principalmente na Capitania de Pernambuco, mais precisamente nas cidades de Olinda e Recife. Organizou-se um governo separatista nos moldes republicanos, no dia 8 de março de 1817 em Recife, com administração e conselho, cada um por cinco nomes.

O movimento ganhou apoio de todo o Nordeste brasileiro. Entretanto a repressão não tardou a se manifestar. Iniciou-se com a execução do Padre Roma na Bahia. O governo geral envia do Rio de Janeiro, três navios com 1500 homens e consegue sufocar a revolução da república pernambucana de 1817. Esse governo republicano durou apenas 75 dias, mas foi o primeiro governo realmente brasileiro. Previa uma Assembléia Constituinte e uma Constituição. Trazia muitas idéias progressistas para a época, mas esquecia-se de um detalhe que manchava nossa nação - a escravidão.

Os líderes do movimento, em torno de 12 pessoas foram condenados à morte e foram executados em Recife e na Bahia. Outros 72, também condenados à morte foram anistiados pelo Príncipe Regente D. João no início de 1818.

A revolução chegava ao fim, mas nào as idéias. Uma nova república iria surgir mais tarde - a Confederação do Equador e mais uma vez seria debelada, mas nunca as idéias.














História Geral
História do Brasil
Constituições
Lutas do Povo   Revoluções
Datas Importantes
Familias dos Presidentes
Tratados 
Vídeos Históricos

História do Brasil  |  Família | Educação e Cultura   |  Esporte e Lazer  |Religião  |  Direito Brasileiro   |  Meio Ambiente  |  Músicas  | Notícias, Casos, Contos e Causos  |  Sabesp 

    Topo da Página            Início do Site

Websites [ Tuia.com.br ]                                 Bloco: Lutas Brasileiras
Faustino Emílio da Silva          Contatos: Faust@tuia.com.br.
Última atualização: sábado, 20 de novembro de 2010